Ser Menina

Aquarela produzida em oficina conduzida pela artista plástica Cláudia Sopas

Apresentação

A exposição coletiva Ser Menina é uma homenagem do Ministério Público do Maranhão a todas as Meninas pela sua data, o dia 11 de outubro! As obras, que podem ser visitadas presencialmente, foram obtidas em duas frentes de trabalho.

A primeira e maior reúne obras do Centro de Ensino Maria José Aragão, fruto do Projeto Pare. Pense. Leia!, realizado mensalmente em âmbito escolar. O Projeto tem por objetivo tornar a prática da leitura prazerosa e produtiva, fugindo do mero encadeamento mecânico entre letras, palavras, frases e parágrafos para, quem sabe, proporcionar a possibilidade de uma leitura crítica do mundo.

Atendendo a pedido do Centro Cultural do Ministério Público (CCMP), o diretor do Centro de Ensino Maria José Aragão, professor Wilson Chagas, levou à comunidade escolar, meninas e meninos, adolescentes do 1º e 2º ano do ensino médio, o tema Ser Menina: Direito à vida, descobertas e conquistas. Dentro deste grande tema, foram debatidos desejos, sonhos, descobertas, conquistas, empoderamento, enfrentamento à violência, da gravidez ao parto, inseguranças, angústias, cobranças, imposições comportamentais, o medo, as questões relativas ao vestir e ao sentar, às cores e aos brinquedos, a obrigação de ser cuidadora, o que é ou não permitido à menina, mesmo nos dias de hoje…

Os trabalhos contaram com o envolvimento dos professores de todas as áreas de conhecimentos (Linguagens, Matemática e Ciências), nos turnos matutino e vespertino, originando obras em três suportes: pintura em tela (acrílica), lambe-lambe e fotografia.

Uma parceria com a Fundação Justiça e Paz se Abraçarão, localizada no bairro da Cidade Olímpica, em São Luís, proporcionou um segundo grupo de obras artísticas disponibilizadas para a exposição coletiva Ser Menina, por meio de uma oficina ministrada pela artista plástica e arquiteta Cláudia Sopas. Foi empregada a técnica da aquarela, num trabalho que durou quatro dias. A aquarela é feita em papel próprio no tamanho A3.

As quinze jovens reunidas na oficina, todas moradoras da macrorregião de São Luís, com idade entre 11 e 25 anos, são atendidas pelos projetos Menina Cidadã e Ilha em Movimento, focados no empoderamento de meninas, na luta por direitos, arte e cultura e em temas como a pobreza menstrual, uma questão de saúde pública que afeta diretamente a vida escolar das meninas.

A exposição coletiva Ser Menina ficará em cartaz até o dia 9 de novembro. As obras podem ser vistas nos Espaços de Artes Ilzé Cordeiro (CCMP) e Márcia Sandes (Procuradoria Geral de Justiça), mediante agendamento pelo email centrocultural@mpma.mp.br ou por WhatsApp, no número (98) 99200 2719, ou ainda (em breve) no endereço www.centrocultural.mpma.mp.br.

Produção fotográfica em aparelhos celulares dos estudantes do Centro de Ensino Maria José Aragão, na Cidade Operária

Quer ficar ao meu lado?

Essa pergunta elas sempre

quiseram fazer,

sempre procuraram

uma oportunidade

com a probabilidade de que,

de lá viesse uma reação empática.

Então veio o artista

e pelos seus olhos,

abriu as janelas

para a alma delas,

Já que assim é a arte,

grita o nosso sussurro.

A arte, como o Direito,

também faz tear,

uma parte para elas.

Neste ano inteiro

vamos tecendo

o 11 de outubro.

A primeira vez que

enfim, teremos

um Dia da Menina,

e das que ainda as guardam

dentro de si.

Ei,

queremos ser vistas

e respeitadas.

Queremos viver

as nossas próprias vidas,

não mais a dos outros.

Queremos ser parte

desse arco-íris multidiverso

que forma a humanidade.

Agora já sem receio

pode perguntar, menina

Pois está garantido

que aqui dirás:

“Que bem que ficaste ao meu lado”.

Karla Adriana Holanda Farias Vieira

Diretora da Escola Superior do Ministério Público do Maranhão

(Rendemos homenagem aos que contribuíram na edição e na sanção da Lei Estadual n° 13.471/2020 que, cumprindo a agenda da ONU, institui o Dia Estadual da Menina, tirando-as da invisibilidade e estabelecendo um marco de políticas de promoção de igualdade que as alcancem especialmente).

Mais uma aquarela produzida pela jovem Maria Estrela

A seguir, alguns depoimentos de meninas atendidas pela Fundação Justiça e Paz se Abraçarão:

O Dia da Menina é uma data muito especial para todas nós meninas, mulheres. Sabemos que enfrentamos dificuldades todos os dias das nossas vidas, desde que nascemos. Porém, também sabemos que a gente tem momentos felizes e conquistas que nos alegram.

O Dia da Menina retrata coisas importantes porque, além das conquistas alcançadas, lembra das dores e antigas lutas de séculos passados.

Shayanne Santos (15 anos)

As telas expostas foram produzidas utilizando as técnicas de pintura acrílica e lambe-lambe

O Dia da Menina é celebrado desde 2012. A celebração é marcada pelos progressos com relação aos direitos das meninas e para reconhecer também que ainda há muito o que se caminhar.

Vivemos em uma sociedade machista que nos condiciona a sonhar menos e até mesmo viver menos. É importante celebrar, fazer memória da razão para a existência desta deta. Não podemos esquecer que ainda existem meninas casando aos 12 anos, que ainda existem meninas que não tem acesso à educação e muitas outras sem perspectivas de sobrevivência.

Dia 11 de outubro é dia de luta, de resistência. Dia de dizer que somos mais fortes juntas e cada dia mais organizadas.

Bianka Melo (21 anos)

Mais de 350 alunas e alunos do Centro de Ensino Maria Aragão participaram de todo o processo de produção das obras expostas

Ser menina é saber desde cedo que precisamos ser mulher

Não temos tempo de ser menina com a falta de educação, segurança, saúde e lazer à nossa volta

Somos filhas e netas de mulheres que não tiveram tempo de ser meninas

Queremos nossa essência respeitada, equidade para todas as nossas diferenças

Ser menina significa ser livre e dona da sua própria jornada, mas quase sempre silenciada

Somos vocês ecoando e, cuidado, estamos nos escutando

Queremos tempo para ser meninas

Júlia Cristine (18 anos)

A marca da exposição Ser Menina é, sem dúvida, o trabalho em equipe

Ser menina é um orgulho! E é, ao mesmo tempo, um enfrentamento permanente nesta sociedade em que vivemos, com todo o patriarcado que vemos ao longo dos anos… e como é difícil andar na rua sem ser assediada…

Essa data é importante para que possamos lembrar de como é marcante a nossa militância e resistência como meninas; para mostrar nossa força, mesmo que queiram nos impor coisas pelo simples fato de sermos meninas.

Lutamos para quebrar o machismo estrutural e o patriarcado. Essa data, portanto, nos representa e nos dá encorajamento para sermos o que somos, cada dia mais fortes! Para que continuemos a resistência! Viva à militância! Um viva aos nossos direitos e ao Dia da Menina!

Keyse Saldanha (18 anos)

Oito aquarelas estão expostas na Galeria Márcia Sandes

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *